Início Brasil
Biblioteca Nacional
Aldeia Pataxó de Coroa Vermelha
Aldeias indígenas da Costa do Descobrimento

Está localizada em Santa Cruz Cabrália, nos limites dos rios Mutá e Mutari, alcançando a BR-367, que liga o município a Porto Seguro. Tem uma área de 77 ha. Nas proximidades, dentro da Mata Atlântica, tem uma Reserva Indígena de cerca de 2500 ha. Sua população compreende umas 30 famílias puras e outras mais de 200 miscigenadas.
Consta que a aldeia se originou com a chegada da família do Pajé Itambé, em 1972, vinda da reserva indígena de Barra Velha.
O Pajé Itambé, de nome de batismo Alberto Espírito Santos Matos, 65a., tem loja de artesanato e farmácia homeopática. É a figura mais conhecida da comunidade, junto ao índio Boré, muito requisitado por seus trabalhos de curandeirismo.
Os Pataxós de Coroa Vermelha vivem, basicamente, do artesanato e, uns poucos, das roças da mandioca e do milho, praticadas na Reserva Indígena; e da pesca, realizada no mar. No artesanato: "... coisas de pena, chocalho, leque, tanga, arco e flecha, gamela, colher de pau,...".
Na aldeia encontra-se o Marco da Primeira Missa celebrada no Brasil, em 26 de abril de 1500, pelo Frei Henrique Soares (de Coimbra). Uma cruz é o símbolo do início da evangelização no Brasil. Está fincada na praia, em frente ao ilhéu, onde em sua parte emersa, foi celebrado o ato religioso. Diz-se que, originariamente, uma pequena cruz de madeira foi ali colocada pelos Capuchinhos, em 3 de março de 1898. Recentemente, a cruz de madeira foi substituída por uma outra de aço, perdendo toda a magia do simbolismo primitivo, e a referência ao pau-brasil. Neste centro turístico os índios, vestidos a rigor, vendem seus artesanatos e dançam e cantam em torno da cruz.
Há uma escola de primeiro grau dentro da comunidade, com professoras índias, que procuram preservar os costumes e as tradições indígenas. Cerca de 244 alunos freqüentam as salas de aulas.
Um Posto Médico da FUNAI atende aos índios, com a presença semanal de um médico. Normalmente os índios procuram os Postos Médicos e Hospitais de Santa Cruz Cabrália, Porto Seguro e Belmonte.
A qualidade de vida dos índios de Coroa Vermelha não é satisfatória, pois a roça produz pouco e a pesca é modesta. A venda do artesanato é fraca "... tem dia que a gente vende nada.... bem pouco". "O índio tem vez que está, até, passando fome aqui". Muitas casas de índios, de condições precárias, não têm gás de cozinha, luz elétrica e água encanada. Esta é pega no chafariz da escola. Alguns índios abandonaram o artesanato e vivem da venda de bebidas alcoólicas e cigarros, em biroscas.
Os ventos das comemorações dos quinhentos anos do descobrimento do Brasil trouxeram novo alento para a tribo de Coroa Vermelha, pois foi construído um novo Centro de Artesanato Indígena e edificadas casas de alvenaria que irão beneficiar boa parte dos índios.

José G. Pimentel

Bahia, 22 de abril de 2000.

anterior
Biblioteca cartográfica
Biblioteca digital
Biblioteca iconográfica
Página inicial | Ficha técnica | Mapa do site