Sophia
de Mello
Breyner
Andresen
Poemas lidos por Sophia
Sophia, por diversos artistas
Poemas a Sophia e testemunhos
Poemas de Sophia a amigos
Algumas entrevistas a Sophia
Índice de poemas
Artes poéticas
 
Início Introdução1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Bibliografia e Prémios
Algumas entrevistas a Sophia
Manuscrito Manuscrito Manuscrito
in Letras e Artes, 24 de janeiro de 1963 Literatura e Arte, in A Capital, 28 de fevereiro de 1968 Entrevista de Walmir Ayala
Rio de Janeiro, 1978
Entrevista de Maria Armanda Passos e três poemas inéditos
Jornal de Letras
, 16 de fevereiro de 1982
Jornal Imagem da obra Imagem da obra
Entrevista de Miguel Serras Pereira
in Jornal de Letras, 5 de fevereiro de 1985
Entrevista de Eduardo Prado Coelho
in ICALP. Revista, n.º6, Agosto/Dezembro 1986
Entrevista de Luís Figueiredo Tomé
in DN Cultura, 20 de dezembro de 1987
Entrevista de Maria da Conceição Casais
in Contemporâneo, 15 de março de 1989
Entrevista de António Guerreiro
in Expresso 15 de julho de 1989
Entrevista de Lúcia Sigalho
in Vida Mundial, 1989
Entrevista de J. A. Dias de Sousa
in JN, 28 de março de 1990
Entrevista de José Carlos de Vasconcelos
in Jornal de Letras, 25 de junho de 1991
Revista
in Noesis, março-maio 1993 Entrevista de Elisabete França
in Diário de Notícias, 24 de novembro 1994
Entrevista de Fernando Assis Pacheco
in Visão, 23 de fevereiro 1995
Entrevista de Joaci Oliveira
in Cidade Nova, N.º1/1995
Jornal
Entrevista de Ricardo Araújo Pereira
in Jornal de letras, 17 de dezembro de 1997
Entrevista de Alexandra Lucas Coelho
in Público, 12 de junho de 1999
in A Capital, 19 de setembro de 1999 Entrevista de Joaci Oliveira
Cidade Nova, maio/junho 2001
A arte deverá ter por fim a verdade prática?

1 – Qual o modo mais fecundo de o Poeta colaborar na cidade?
S.M.B.A. – A poesia, só por si mesma propõe à cidade um fundamento de verdade. E, só por si mesma, a poesia é uma forma de resistência contra todas as indignidades e mentiras. O verdadeiro poeta é sempre um resistente. Mas o falso poeta, sejam quais forem as causas que diz defender, é sempre um conivente. continua...

Entrevista a O Tempo e o Modo, 6 de Junho de 1963 – número especial
Sou uma mistura de Norte e Sul

O eléctrico tinha parado no Largo da Graça, eu saíra e atravessava o jardim e o miradouro, encaminhando-me para a casa de Sophia, a poucos metros do lago e da igreja, na Travessa das Mónicas. continua...

Entrevista de Miguel Serras Pereira in JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.º 135, 5 a 11 de Fevereiro, 1985.
Escrevemos poesia para não nos afogarmos no cais...

«Versos e filhos como os dás ao mundo?», pergunta a propósito de Sophia de Mello Breyner Andresen um poema de Jorge de Sena. Mas não só Sena se interroga sobre o «mistério repassado de claridade» que é para Eduardo Lourenço o enigma-Sophia. continua...

Entrevista de Maria Armando Passos in JL nº26, 16 de Fevereiro - 1 de Março de 1982
Sophia e o brilho do visível frente a frente

MC – Penso que o leitor das suas obras a encara como uma mulher simples, sensível. O espectador, o leitor das entrevistas, vê-a como uma mulher distante, elitista. Quem é a Sophia? continua...

Entrevista ao jornal Contemporâneo em 15 de Março de 1989
Sophia: a luz dos versos

Navega no esplendor do poema e do universo há mais de meio século. A sua poesia nasceu do ar, do mar, da luz, do vento. A luz nua e pura dos seus versos bebe a água e o jardim, a paixão do limpo e do rigoroso, o amor à liberdade; ilumina a luta pela justiça e os corações deslumbrados. continua...

Entrevista de José Carlos de Vasconcelos, JL nº468, 25 de Junho-1 de Julho de 1991.
Luzes de Sophia

V.M. – No seu último livro “Ilhas”, tem uma série de poemas chamados “Poemas reencontrados”. Qual é a história destes poemas? continua...

Entrevista de Lúcia Sigalho e Sandra Martins in Vida Mundial
Sophia e a palavra

Noesis – Tem memória dos seus primeiros versos? Lembra-se onde e quando os escreveu?
S.M.B.A. – Como tive a sorte de na minha infância, antes de eu saber ler e escrever, me ensinarem a decorar a “Nau Catrineta”, alguns sonetos de Camões, “Ó virgens que passais ao sol poente” de A. Nobre e sonetos de Antero, comecei cedo a tentar escrever. continua...

Entrevista in Noesis nº 26 – Março, Abril, Maio de 1993
Folha – Como brasileiro, tenho uma certa curiosidade sobre essa ligação da senhora com alguns poetas brasileiros e com suas poesias, em especial Cecilia Meireles e João Cabral. Por exemplo, um de seus poucos ensaios literários é sobre Cecilia Meireles, não é? continua...

Entrevista por João Almino* in Folha de S. Paulo – 26 de Setembro de 1999

* João Almino é escritor e diplomata brasileiro, autor, entre outros, dos romances “Idéias para onde passar o fim do mundo” e “Samba-Enredo”
Biblioteca Nacional de Portugal Ficha técnica © 2011 Biblioteca Nacional de Portugal