BIBLIOTECA NACIONAL - TESOUROS
 
Cartografia Espólios Iconografia Impressos Manuscritos Música Periódicos
See this site in English
 
       

TERZI, Filippo, 1520?-1597 [Estudos sobre embadometria, estereometria e as ordens de arquitectura] / Filippo Terzi architetto e ingegnere militare in Portogallo 1578. - [16--]. - [1], [16] f., enc. : papel, il. ; 16 cm

Consultar esta obra
TERZI, Filippo, 1520?-1597 [Estudos sobre embadometria, estereometria e as ordens de arquitectura] / Filippo Terzi architetto e ingegnere militare in Portogallo 1578. - [16--]. - [1], [16] f., enc. : papel, il. ; 16 cm
BN COD. 12956

Cópia da mesma mão.
Texto em italiano.
A obra é constituída por: "Embadometria, o Misura di Superficie" (f. 1v.-2); "Stereometria, o misura de Corpi Solidi" (f. 2v.-4); "Del Ordine Toscano" (f. 5v.-6); "Del Ordine Dorico" (f. 6v.-7); "Del Ordine Jonico" (f. 7v.-8); "Del Ordine Corintio" (f. 8v.-9); "Del Ordine Composito" (f. 9v.-10); [Cálculos das proporções dos elementos constitutivos de capitéis, fustes, bases e cornijas de diferentes ordens de arquitectura] (f. 10v.-11v.); "Sagome di Piedestalli con Base Toscane" (f. 12); "Sagome di Cornici, Fregi, et Architravi Dorici" (f. 12v.); "Jonico. Cornici, Fregi, Architravi. Piedestalli, et Base. et Imposte d'Archi" (f. 13); "Corintio, et Composito. Cornici, Fregi, Architravi et Capitelli. Quatro Imposte d'Archi" (f. 13v.); "Corintio et Composito. Cornici, Fregi, Architravi, Capitelli, et Imposte d'Archi, d'Ordine Corintio, Composito et Piedestalli " (f. 14); "Corintio, et Composito. Cornici, Fregi, Architravi, Capitelli, Base, et Bassamenti, con Imposte d'Archi" (f. 14); " Cime di Palazzi, o altro" (f. 15-15v.); [Cálculos para fazer caneluras numa coluna, e cálculo das proporções dos elementos constitutivos de um altar, e de "poste per cavalli"] (p. 15v.-16). A presente obra, atribuída a Filippo Terzi, não consta na sua bibliografia, tratando-se por ventura de apontamentos elaborados no contexto da actividade pedagógica desenvolvida pelo arquitecto italiano.
Contém desenhos à pena, a sépia, de figuras e sólidos geométricos, colunas e capitéis das ordens de Arquitectura, canhões, um altar e "poste per cavalli".
O códice apresenta uma foliação de origem, embora sem ordem sequencial, indiciando porventura o desmembramento de outro códice. Ex-líbris heráldico, em carimbo, anterior ao séc. XIX.
Adquirido a Reiss und Auvermann, leilão nº40 (1989), nº80. Encadernação recente com pastas de cartão revestidas a pele castanha. Encadernador: "Carvalho Évora", grav. na pasta posterior.

BN COD. 12956

Desconhece-se a data exacta do nascimento do arquitecto e engenheiro italiano Filippo Terzi, responsável por diversas obras em Portugal nos finais do séc. XVI, sabendo-se apenas que nasceu em Bolonha, possivelmente no ano de 1520.

Ignora-se igualmente a data precisa em que veio para o nosso país, embora seja certo que tal facto ocorreu no reinado de D. Sebastião, estando Terzi já a trabalhar em Lisboa em 1577, após contrato em Roma efectuado no ano anterior. Segundo Rafael Moreira, a sua vinda para Portugal deu-se no mês de Abril de 1577.
No ano seguinte, na qualidade "de engenheiro superior", acompanhou o rei português na expedição a Marrocos, juntamente com o arquitecto Nicolau de Frias, tendo sido feito prisioneiro na batalha de Alcácer Quibir. O seu regresso a Portugal deu-se, no entanto, logo em 1579, graças ao empenho do cardeal D. Henrique na negociação do resgate.

Em 1583 foi enviado para Coimbra, a fim de examinar as obras da ponte sobre o rio Mondego e os mosteiros de S. Francisco e Santa Clara. Aí realizou projectos como a obra de reconstrução do aqueduto de S. Sebastião, sendo logo no ano seguinte, a 22 de Janeiro de 1584, nomeado "mestre das obras do convento da villa de Thomar". Nesta cidade o seu nome ficou associado à execução do aqueduto, e à conclusão das obras do célebre claustro de D. João III do Convento de Cristo, e da Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

Terzi ocupou outros cargos oficiais relevantes, como o de mestre de obras das Ordens de Santiago e de Avis. E, por alvará com força de lei, datado de 28 de Junho de 1590, foi nomeado por Filipe II "mestre de todas minhas obras que se fizerem a custa de minha fazenda", ascendendo assim ao cargo de "Arquitecto Geral" do reino, em substituição do Arquitecto e Engenheiro-mor António Rodrigues (ca. 1525 ?-1590).
A exemplo deste último, desempenhou igualmente as funções de "mestre das obras das fortificações", acumulando assim, até à data do seu falecimento, os cargos de Arquitecto e Engenheiro-mor do reino, considerados os "…cargos mais honrosos da hierarquia artística portuguesa.", segundo Ayres de Carvalho.

Como Arquitecto geral do reino, foi de sua responsabilidade a formação prática de arquitectos, num "estágio" designado três "lugares de estudar architectura" ou "praças de aprender architectura", que começara a funcionar ainda antes de 1594 no Paço da Ribeira, facto que levou Sousa Viterbo a considerar que "Filippe Tercio parece ter sido o primeiro professor official de architectura no nosso paiz".

No desempenho das funções de principal arquitecto de Portugal, Terzi percorreu o país, dirigindo obras em diversas localidades, de que se destacam inúmeros trabalhos executados em Coimbra (estão documentados, por exemplo, a reparação da ponte sobre o Mondego e o projecto do novo colégio dos Cónegos Regulares de Santo Agostinho, denominado Colégio de Santo Agostinho ou da Sapiência), e em Palmela, o projecto para reedificação do convento existente nesta cidade. Igualmente em Lisboa, Terzi terá deixado testemunhos da sua obra arquitectónica, embora a falta de fontes documentais seguras não permita determinar com segurança os projectos que efectivamente foram de sua responsabilidade . É o caso do célebre torreão dos Paços da Ribeira, mandado edificar por Filipe II no extremo sul deste palácio, obra atribuída a Terzi, mas cuja traça, segundo Ayres de Carvalho se deve ao arquitecto do monarca espanhol, Juan de Herrera (1530-1597), o qual esteve em Lisboa entre 1581 e 1583, e ao seu ajudante e discípulo Francisco de Mora (?-1610). Nesta cidade, o nome de Filippo Terzi está igualmente ligado à construção de outros edifícios, dos quais os mais dignos de destaque são a igreja e mosteiro de S. Vicente de Fora, projectos atribuídos àquele arquitecto italiano, não obstante alguma investigação considerar que apenas a planta e alçados do mosteiro são de sua autoria.

Teresa A. S. Duarte Ferreira - Responsável da Área de Manuscritos


BIBLIOGRAFIA

Carvalho, Aires de - D. João V e a arte do seu tempo. Lisboa : A. Carvalho, [D.L. 1960]-1962. 2 vol.

Gomes, Paulo Varela - Arquitectura, religião e política em Portugal no século XVII : a planta centralizada. Porto : FAUP - Faculdade de Arquitectura, 2001

Grande Enciclopédia portuguesa e brasileira. Lisboa, Rio de Janeiro : Enciclopédia. Vol. XXXI, p. 507-508

Moreira, Rafael - Um Tratado Português de Arquitectura do século XVI (1576-1579). Lisboa : [s.n.], 1982. Dissertação de mestrado em História de Arte apresentada à Fac. de Ciências Sociais e Humanas da Univ. Nova de Lisboa

Viterbo, Sousa - Dicionário histórico e documental dos arquitectos, engenheiros e construtores portugueses. Lisboa : Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1988. Vol. III, p. 93-101

 

  2003 Biblioteca Nacional Crédito e Direitos de Propriedade Intelectual