BIBLIOTECA NACIONAL NATIONAL LIBRARY OF PORTUGAL
OS PORTUGUESES E O ORIENTE (1840-1940)
Thai
Sobre a exposição About the exhibition
Sião China Japão
* O diálogo falhado
*
* Kangxi, o Grande
* China amada, China Desprezada
* O Início das agressões europeias
* Narcotização da China pelos Britânicos
* A Mais suja das Guerras
* Semi-descolonização europeia
* A tragédia dos Culis
* O fracasso das reformas
* A China Moribunda
*
O último imperador
*  Os senhores da Guerra
*  A Guerra com o Japão
* A nova China
*  Biografias e Bibliografia

A “Querela dos Ritos”

O desrespeito cristão pleas tradições chinesas ficou bem patente na "Querela" .

Na Cidade Proibida residiam numerosos sacerdotes agarrados à piedosa ilusão da conversão do Império aos evangelhos. Impressionados pela prosperidade e paz que prevaleciam nessa sociedade indiferente aos ardores religiosos que dominavam a mundivivência europeia, Gaspar da Cruz, Matteo Ricci e Du Halde exibiam uma mescla de estupor e indignação ante um mundo onde a “religião” carecia de Deus e de teologia, a filosofia ignorava a metafísica e no qual, não obstante, prevalecia uma sólida ética cultora da lealdade, de piedade laica, respeito pelas hierarquias e um sentido de dever e aprimoramento que encheria de vergonha os soldados práticos portugueses e espanhóis, e os comerciantes holandeses e ingleses que arrostavam todos os perigos para, na Ásia, ganharem o quinhão de fortuna acautelador de uma velhice livre da miséria.

O diálogo entre as duas galáxias civilizacionais fundadas em gramáticas tão distintas estava a realizar-se, dentro dos condicionalismos existentes, com vantagem para os europeus no domínio cultural, quando em 1715, desautorizados por Clemente XI, e depois, em 1742 por Bento XIV no epílogo da funesta Querela dos Ritos, os Jesuítas viram eclipsar-se qualquer esperança na conversão da China ao cristianismo.

 
 
Créditos do site