BIBLIOTECA NACIONAL NATIONAL LIBRARY OF PORTUGAL
OS PORTUGUESES E O ORIENTE (1840-1940)
Thai
Sobre a exposição About the exhibition
Sião China Japão
* O diálogo falhado
*
* Kangxi, o Grande
* China amada, China Desprezada
* O Início das agressões europeias
* Narcotização da China pelos Britânicos
* A Mais suja das Guerras
* Semi-descolonização europeia
* A tragédia dos Culis
* O fracasso das reformas
* A China Moribunda
*
O último imperador
*  Os senhores da Guerra
*  A Guerra com o Japão
* A nova China
*  Biografias e Bibliografia

Senhores da guerra

O sucessor de Sun Yat-Sen (Chlang Kai schek)

O país deixara de ser uno. Os senhores da guerra, detentores do poder nas províncias, viviam das exacções, com o apoio do gangsterismo, das seitas e das alianças que iam fazendo e desfazendo com companhias ocidentais. O sucessor de Sun, Jian Jieshi (Chiang Kai Schek), líder do Kuomintang (Partido Nacionalista), unira-se aos comunistas, mas em 1927 empurrou-os para as zonas rurais do sul após um verdadeiro banho de sangue em Xangai, acontecimento presenciado por Malraux e motivo para um prémio Goncourt (A Condição Humana).

Alarmadas perante a escalada da violência, as potências enviaram para os mares da China esquadras de vigilância. Ivens Ferraz, Freitas Morna e Jaime de Sousa, oficiais da armada em missão no extremo-oriente, deixaram registo da confusão em que se afundara o país. Xangai era então o centro nevrálgico da China, metrópole dos paraísos artificiais, inferno do jogo, reino de lupanares.

Erguera-se do nada décadas antes e era emblema das tremendas transformações sofridas pelos chineses. Finalmente, a paz aparente regressou. Chiang neutralizou os “senhores da guerra” e obrigou os comunistas de Mao a uma longa retirada para o interior. Em meados da década de 30, de Nanquim governava um país estabilizado. António Lopes, jornalista português que então visitou o país, cantou loas ao generalíssimo.

 

 
 
Créditos do site