BIBLIOTECA NACIONAL NATIONAL LIBRARY OF PORTUGAL
OS PORTUGUESES E O ORIENTE (1840-1940)
Thai
Sobre a exposição About the exhibition
Sião China Japão
 
* Abertura e Isolacionismo
* O trauma da Missionação católica
* A sociedade Tokugawa
* Restauração Meiji
* A Via do Ocidente
* Japão Imperialista
* Militarismo e Expansionismo
* A Segunda Guerra Mundial
* Biografias e bibliografia

O trauma da missionação católica

O cristianismo foi visto como uma agressão à identidade japonesa

Não exagerando o impacto do cristianismo sobre o Japão, erro tendencial da historiografia ocidental na análise das causas do isolacionismo nipónico, não terá deixado de constituir um dos factores precipitantes do auto-enclausuramento nipónico nos umbrais da modernidade. A consolidação de um Estado unificado, codificador e administrativo, estribava-se, na Europa como na Ásia extrema, no pressuposto da unicidade garantida por um forte poder coesivo – étnico, linguístico, religioso – e perseguição impiedosa sobre movimentos centrífugos.

O Japão do shogunato Tokugawa não levou, porém, tão longe as veleidades de cortar todos os laços com o exterior. Se era, usando a expressão de Arnold Toynbee, “uma nação mundial” – isto é, um país que levava tão longe a sua especificidade ao ponto de se recusar confrontá-la com outras galáxias civilizacionais – mantinha, não obstante, mesmo que ténues, contactos através de medianeiros cuja avidez pelos negócios era suficientemente eloquente para que dessa intermediação pudessem os japoneses sofrer efeitos colaterais no seu modo de viver e ver o mundo.

Portugueses e espanhóis haviam provocado, com a introdução do catolicismo, fortes abalos na sociedade japonesa, pelo que o corte de relações com as coroas ibéricas, as perseguições aos conversos e até o impedimento do regresso dos japoneses que se haviam fixado nas Filipinas e Sião se afiguram como medidas cautelares no esforço de homogeneização da sociedade nipónica.

 
 
Créditos do site