BIBLIOTECA NACIONAL NATIONAL LIBRARY OF PORTUGAL
OS PORTUGUESES E O ORIENTE (1840-1940)
Thai
Sobre a exposição About the exhibition
Sião China Japão
 
* Abertura e Isolacionismo
* O trauma da Missionação católica
* A sociedade Tokugawa
* Restauração Meiji
* A Via do Ocidente
* Japão Imperialista
* Militarismo e Expansionismo
* A Segunda Guerra Mundial
* Biografias e bibliografia

Biografias e bibliografia

BOWERS, Faubian. Japanese theatre. New York: Hill & Wang, 1959.

CLOSE, Upton (pseudónimo). The revolt of Asia: the end of the white man’s world dominance. NY-London: G.P. Putnam’s Sons, 1927.

FREITAS, José de. A batalha do Extremo Oriente. - [S.l. : s.n.], imp. 1942 ( Lisboa : Soc. Ind. de Tipografia). Ainda abalado pelo sucesso do ataque fulminante do Japão à Ásia colonizada pelos ocidentais, o autor rememora os antecedentes imediatos da guerra, lembra as vicissitudes políticas e diplomáticas dos relacionamentos chinês e japonês com o Ocidente desde o século XIX. Excelente trabalho - raro pelo rigor e capacidade de exposição - constitui um notável exercício de análise da conturbada vida do extremo-Oriente no início da Guerra do Pacífico.

FREITAS, José de. O plano secreto japonês para a conquista do mundo : memorando Tanaka. Lisboa : Livraria Francesa, 1944. Manifestação típica da invocação do “perigo amarelo”, em versão anti-japonesa, teoria da conspiração na mesma linha da anti-jesuítica Monita Secreta (século XVIII) ou dos anti-judaicos Protocolos dos Sábios do Sião (século XIX), o projecto Tanaka - da autoria de Giichi Tanaka (1863-1929), primeiro ministro nipónico - não seria um magno plano para a conquista do mundo, mas um conjunto de orientações para o domínio da China pelo Japão e fortalecimento do império nipónico para uma eventual guerra contra os EUA para o domínio do Pacífico. - O texto de José de Freitas, escrito em 1944, pretende fazer ressaltar as coincidências da guerra do Pacífico com os supostos intuitos do “plano secreto”.

GOSSE, Philippe. Histoire de la piraterie. Paris : Payot, 1933. Grande clássico, continua a ser uma das referências obrigatórias para o estudo do banditismo nos mares.

HALL, John Whitney (coord). The Cambridge history of Japan (vol. 4): early modern Japan. Cambridge: C. Press, 1991. O isolacionismo parece constituir um traço reactivo inerente a algumas culturas asiáticas, não se esgotando nos exemplos chinês e japonês. Também o Tibete - até finais do século XIX - , e depois, recentemente, sob a férula de regimes de tipo socialista, a Coreia do Norte, a Birmânia/Myanmar, o Laos e o Camboja recorreram a tal expediente para travar qualquer ingerência estrangeira.

HANE, Mikisso. Breve historia de Japón. Madrid: Alianza Editorial, 2003

IHARA. Saikaku. The Life of an Amorous Man. Tokyo: Rutland, 1964

JANEIRA, Armando Martins. Caminhos da terra florida : a gente, a paisagem, a arte japonesa. Porto : Manuel Barreira imp. 1956.

TOTMAN, Conrad. The collapse of the Tokugawa bakufu, 1862-1868. Honolulu: University Press of Hawaii, 1980.

TOYNBEE, Arnold. Half the world: the history and culture of China and Japan. New York : Holt, Rinehart and Winston, 1973.

WICHMANN, Siegfried. Japonisme: the Japanese influence on western art since 1858. London: Thomas & Hudson, 2001.

 
 
Créditos do site