Hans Christian Andersen: 1805-1875. EXPOSIÇÃO NA BN DE 3 DE MARÇO A 14 DE MAIO DE 2005
Cronologia
O CONTISTA A VIAGEM A PORTUGAL
OS CONTOS EVOCAR HC ANDERSEN
RECURSOS ONLINE
SOBRE A EXPOSIÇÃO
O Anjo e a Flor do Campo O Fato Novo do Sultão Cinco na mesma Vagem O Patinho Disforme

O Patinho Disforme

O campo estava uma lindeza. Era em pleno estio. Os campos de trigo tinham uma cor de um amarelo de ouro, a aveia estava ainda verde. Nos prados de um verde mais carregado, levantavam-se montes de feno que embalsamavam o ar. Um grupo de cegonhas circulava com as suas compridas pernas vermelhas, falando uma língua que elas somente entendiam.
Campos e prados eram cercados de grandes matas: aqui e ali brilhava ao sol um espaçoso e vasto lago.

No meio desta formosa região erguia-se um antigo castelo, rodeado de fossos cheios de água, e cujos muros estavam revestidos de um espesso e emaranhado manto de trepadeiras, que se vinham juntar aos caniços e aos nenúfares de largas folhas que se estendiam sobre a superfície das águas.

Numa fenda da parede do castelo uma pata tinha feito o ninho, e estava chocando os ovos. Já lhe ia faltando a paciência; a solidão aborrecia-a, as outras patas, suas comadres, vinham lá de longe a longe fazer-lhe uma visita; as egoístas preferiam ficar a patinhar na água.

Afinal um belo dia, um ovo apareceu picado, a casca estalou, e ouviu, «Pip, Pip!» e uma cabeça de patinho apareceu pelo buraco. No dia seguinte apareceu segundo patinho, e logo depois outro e outro. Os animaizinhos já se mexiam muito, e soltavam muito distintamente o seu alegre «quá, quá»r estendendo com muita curiosidade a cabecinha por entre as folhas verdes que serviam de cortinado ao ninho.
A primeira palavra que eles disseram, foi:
- Sempre isto que vemos é muito grande!
Efectivamente estavam mais à vontade que dentro da casca.
- Ah ! vocês julgam que o que estão vendo é todo o universo? - disse a mãe - Desenganem-se; vai muito além do jardim, e além da igreja, cuja torre eu já vi uma vez; é verdade que não fui ainda mais longe.
- Ora vamos a ver uma coisa: vocês já nasceram todos? Qual! Falta um, o maior dos ovos, que está ainda intacto. Que tempo levará este a ser picado? Já me vai parecendo comprido o tempo...
E foi colocar-se de novo sobre os ovos.
- Como vai, comadre? — perguntou-lhe uma pata, que vinha fazer-lhe uma visita.
- Ora, como vou! muito aborrecida, minha comadre, com um dos meus ovos, que nem à mão de Deus Padre se quer abrir! Em compensação olhe para esta rica ninhada que aqui tenho! Já se viram umas criaturinhas mais bonitas? São o vivo retrato do pai! que por sinal ainda me não veio visitar, o maroto!
- Se dá licença, minha comadre, eu sempre queria ver o tal ovo. Quer saber? E nada mais nada menos que um ovo de peru. Já uma vez me sucedeu uma dessas; quando esses malditos perus, que me deram para tirar, nasceram, tive um trabalhão incrível com eles: cansei-me para os levar para a água; foi-me impossível. Mas deixe-mo ver; é o que eu digo, um ovo de peru. Quer saber, minha comadre? Eu no seu caso, deixava-o para aí, e tratava de ensinar os meus pequenos a nadar.
- Nada, isso não faço, eu já agora espero ainda alguns dias.
- Sua alma, sua palma, tornou a outra.
E foi-se embora.
Enfim o ovo apareceu picado, ouviu-se um «pip, pip,» e saiu um patinho mais forte que os outros, mas muito feio e desajeitado.
- Ó pai do céu! que monstro! - disse a
mãe, - não se parece nada com os outros:
dar-se-á caso que ele seja um peru ? Vamos
fazer uma experiência. É preciso que ele se
atire à agua: deitá-lo-ei se não for por sua
vontade.
No dia seguinte fazia um tempo lindíssimo. A pata saiu com a sua ninhada, e desceu até à beira do fosso cheio de água. Deitou-se à água e começou a chamar pelos pequerruchos: quá, quá, e os patinhos iam-se lançando à água, onde mergulhavam a cabeça, e nadavam admiravelmente, mexendo as pernas, segundo as regras. Todos se tinham atirado à água, até o próprio que nascera mais tarde.
- Pelo que vejo, não é um peru - disse a mãe. - Vejam a perfeição com que ele mexe as pernas, e como ele vai direitinho. É meu filho, não tem que ver. Afinal quando reparo bem para ele, vê-se que não é nada feio.
- Quá, auá! Sigam-me, meus filhos,
vamos por aí fora, quero apresentá-los aos
outros patos. Aproximem-se mais de mim,
e cautela com o gato!
No lago havia um grande barulho. Dois bandos de patos, disputavam, a grandes bicadas, uma cabeça de enguia. No mais aceso da batalha o gato, que, à beira do lago, parecia dormir, deu uma sapatada e fez cair em terra a cabeça da enguia, que imediatamente devorou.
- Vejam, e aprendam - disse a pata aos
filhos - a vida é cheia de embustes e de enganos. É preciso que se vão acostumando cedo como se hão-de haver neste mundo. Curvem o pescoço e cumprimentem respeitosamente aquele pato velho e gordo que está ali em baixo; é de raça espanhola, reparem-lhe para os pés, orlados de vermelho. Aquilo é um sinal de alta distinção; tem aquilo para que a cozinheira se não engane e o mate.
- Vamos, aprendam a dizer: Quá quá,
e não me ponham os pés para fora. É feio.
Os pequeninos obedeciam fielmente à mãe, mas por mais que fizessem os outros patos olhavam para eles com muito maus olhos, e diziam alto:
- Ora aí temos nós outra ninhada!
Como se não fossemos já bastantes para o
poucochinho que nos dão de comer!
- E então, não querem ver? - observou
um patinho - onde é que a tia foi buscar um
filho tão feio?
E atirou-se ao pobre do bichinho, e deu-lhe algumas bicadas.
A mãe correu a proteger o filho, e perguntou:
- O que foi que ele te fez, grande mau,
para lhe bateres?
- A mim, nada, mas nunca se viu um pato assim tão grande, com aquela idade. É tão desgraçado, que desonrou a nossa espécie.
O pato espanhol aproximou-se, e elogiou muito o aspecto e as maneiras dos patinhos:
- Pena é que entre vocês esteja uma
criatura tão feia!
- É verdade, - respondeu a mãe, - não
é bonito, mas é muito bonzinho. Nada na
perfeição. Com o tempo talvez que fique melhor; esteve muitos dias no ovo, foi isso que o fez assim. E depois - continuou ela, alisando-lhe as penas que estavam eriçadas
das pancadas que lhe tinham dado - é um
macho, pouco importa que seja bonito ou feio.
- Se vocemecê se consola, acabou-se, -
tornou o pato espanhol. - O que eu lhe digo
porém, é que os seus filhos são uma perfeição. Que sejam bem vindos; em todo o caso se encontrarem alguma petisqueira por aí, devem trazer-ma, porque eu aqui sou o chefe, e quero que me respeitem.
A nova ninhada foi pois muito bem recebida por todos, salvo o patinho, que não deixou de ser mordido, empurrado, escarnecido e repelido. As próprias galinhas riam-se dele, e achavam-no disforme. Havia no pátio um peru, que passeava com o papo muito cheio e assoprado, como se julgasse que o mundo lhe pertencia. Quando viu o patinho ficou furioso, e atirou-se ao desgraçado: chegando à beira do lago, e vendo que não podia alcançar o objecto da sua cólera, fez-se muito vermelho, e soltou terríveis glús glús.
Para o patinho não havia uma hora de descanso. Nem sequer de noite podia dormir, pensando nas amarguras que tinha sofrido de dia.
Cada dia era pior. Os seus próprios irmãos riam-se dele, e diziam:
- Não sei o motivo por que o gato o não apanha, a este maldito que nos anda envergonhando!
A mãe, que ao princípio o defendia, acabou por dizer:
- Quem dera que ele morresse!
E os outros patos cada vez eram piores para ele, e até a criada quando vinha trazer a comida para a criação, dava-lhe pontapés se acaso o bichinho se aproximava dela.
Afinal o patinho viu-se tão apoquentado da sua vida, que um belo dia largou a voar por cima das sebes, dos jardins e dos campos. Os passaritos que se aninhavam nos ramos das árvores, ouvindo o barulho daquelas asas pesadas e inexperientes, fugiam cheios de susto.
- Têm medo da minha fealdade, - pensou consigo o patinho, e fechou os olhos para não ver aqueles lindos animaizinhos fugirem ao avistá-lo. Foi voando, voando, até que chegou a uma grande lagoa onde havia patos bravos. Parou ali, e escondeu-se nos juncos: estava cansado, e morto de tristeza. Pela manhã os patos começaram a observar com curiosidade o recém-chegado.
- De onde é que vens? De que raça és? - perguntaram.
O patinho entrou a fazer cumprimentos acanhados, próprios de uma pessoa que está muito envergonhada.
- Podes gabar-te de que és rasgadamente feio, - disseram-lhe os outros. - Mas isso pouco nos importa, com tanto que se te não meta na cabeça o casares com uma das nossas filhas.
Coitado! como se ele pensasse em casar-se! Muito feliz se julgava ele em que o deixassem ali ficar, e era que lhe consentissem que procurasse a caça e o abrigo naqueles juncos! Permaneceu ali pois coisa de alguns dias. De repente arribaram dois patos que vinham do norte; eram moços, e a mocidade gostou sempre de aventuras.
- Olá, amigo, - disseram eles ao patinho. - Tens um feitio tão patusco que nos diverte bastante. Anda daí connosco, e serás, como nós, ave de arribação. Não longe daqui, numa outra lagoa, há algumas patas que não deixam de ser amáveis: como não têm visto muitos patos, não sabem o que é ser bonito ou feio; talvez que tu, apesar de seres feio, consigas agradar a alguma delas.
Nisto ouviu-se piff, paff, e os dois patos caíram mortos na agua. Daí a pouco ouviu-se de novo piff, paff. Bandos de patos e marrecos saíram dos caniços e deitaram a fugir para todos os lados. Os tiros de espingarda repetiram-se; era uma grande caçada. Os caçadores estavam uns nas margens da lagoa, outros por entre os ramos dos salgueiros e dos choupais. O fumo azul da pólvora formava uma nuvem espessa. Os cães atiraram-se à água, fazendo plask, plask; e metendo-se por entre os juncos iam já próximos do esconderijo do patinho. Que sustos para o pobrezinho! já ia esconder a cabeça debaixo da asa para não ver aquela cena horrorosa, quando viu diante de si um enorme cão, de olhos vivos e brilhantes cheios de raiva, e de boca aberta onde alvejavam dentes afinados e terríveis. O cão rangeu os dentes olhando para o patinho, depois plask, plask, nadou para diante e foi em busca de uma caça melhor.
- Afinal a minha fealdade já me serviu de algum proveito. Até este cão teve nojo de mim ! - disse consigo o pato quando o perigo passou.
E meteu-se no mais espesso dos juncos, enquanto as balas assobiavam, e que se ouviam as detonações dos tiros. Aquilo durou cerca de um dia inteiro. Depois os caçadores foram-se embora. Mas o patinho ficou ainda algumas horas sem se mexer. Afinal depois de muitas precauções, saiu da água, e deitou a fugir o mais depressa que pôde, atravessando campos e vales, no meio de um temporal que o não deixava ir tão depressa como queria. O que desejava a todo o preço era fugir daquela maldita lagoa.
À boca da noite chegou a uma pequena e pobre cabana de lavrador: tão arruinada estava esta habitação que bem se podia dizer que o que a sustentava de pé era justamente o não saber a pobre para que lado havia de cair. O vento era de tal modo violento, que o patinho teve de se encostar à cabana para não cair. Viu então que a porta não estava muito segura: vai o patinho, meteu-se por uma fenda e penetrou no interior. Na cabana morava uma velhinha, com um gato e uma galinha. O gato que ela chamava meu filho era um magnífico animal, que gostava muito que lhe fizessem festas no lombo ; a galinha tinha os pés ridiculamente curtos, mas era muito poedeira, e a mulher estimava-a bastante por isso.
Pela manhã quando se deu com o intruso, o gato começou a roncar o seu ron-ron, e a galinha entrou a fazer glú-glú.
- O que é isto? - perguntou a velha.
Foi ver e deu com o fugitivo. Julgou que era uma pata e exclamou :
- Ora ainda bem, ainda bem, vamos ter ovos de pata, havemos de tirar uma ninhada.
Tomou conta do bichinho, e deu-lhe agasalho e boa comida. Foram estes os melhores dias da vida do pato. Mas três semanas depois, quando se percebeu que ele não punha, começaram de novo as atribulações e aflições do desgraçado.
A galinha era como que a senhora em casa, dizia sempre nós e os outros. Este nós que lhe dizia respeito a ela, à mulher e ao
gato, colocava-o ela acima de todo o universo. O pato ousou um dia emitir uma opinião diferente.
A galinha gritou logo:
- Sabes pôr ovos ?
- Eu, não - respondeu o pato.
- Pois nesse caso, tem a bondade de te
calares ; não tens préstimo nenhum.
- Sabes pôr em arco a espinha, e fazer ron-ron ? — perguntou o gato.
- Eu, não - respondeu o pobrezinho.
- Pois então o melhor que tens a fazer, é calares esse bico; contenta-te em ouvir as pessoas de juízo.
O patinho calou-se, e meteu-se a um canto. Via-se de novo infeliz e desgraçado. O sol e o ar fresco penetravam na cabana, e ele sentiu uma grande vontade de nadar. Foi dizer isto à galinha.
- Ora aí está o perigo de não fazer nada! Vem-nos dessas ideias extravagantes. Pusesses tu ovos e fizesses ron-ron, já não te passariam pela cabeça essas tolices.
— Mas é tão bom retoiçar na água, mergulhar a cabeça, e ir até ao fundo duma
lagoa!
— Estás doido completamente — respondeu a galinha. — Pergunta ali ao gato, que tem juízo para dar e vender, se é bom meter-se a gente na água. Não falo por mim; mas vai ter com a nossa patroa e pergunta-lho: ninguém sabe mais do que ela. Sempre quero ver se ela gosta de chafurdar na água.
— Nada, vocês não me compreendem -
ousou replicar o pato.
— O que dizes tu? Que te não compreendemos! Ora esta! Então julgas que és mais esperto que a patroa e o gato? Não falo de mim, repara bem. Ora vamos, meu amiguinho, tenha juízo e seja modesto. Deus pode cansar-se de ser tão bom como tem sido até agora para ti. Fez com que viesses ter aqui; tens a nossa sociedade, poderias aproveitar-te dela para te instruíres. Tomara eu poder-te ensinar alguma coisa. Não deixo de ser tua amiga, e se te digo algumas verdades amargas, é para teu bem. Nota o que te digo: não há neste mundo senão duas coisas: pôr ovos, e fazer ron-ron. Trata de aprender isto.
— Talvez que em viajando eu venha a
saber isso - disse o patinho.
— Olha que isto não pode senão fazer-te
bem, disse a galinha. Por ora ainda és chapado tolo.
O patinho saiu dali, dirigiu-se a uma lagoa solitária, e deitando-se à água, nadou à sua vontade, mergulhou, tornou a mergulhar, e assim se esqueceu das tolices da galinha.
Chegou o outono. As folhas amareleceram, secaram, o vento levou-as, e fê-las redemoinhar nos ares. Veio depois o inverno; nuvens pesadas de neve encobriam o sol. Ouviam-se os corvos passar, grasnando, transidos de frio.
Recomeçaram as aflições do patinho. Uma vez contudo o bichinho teve um momento de felicidade. O dia tinha sido muito bonito: o sol pusera-se envolvido em nuvens de uma cor vermelha esplendida. Nisto passou um bando de grandes e magníficas aves; o patinho nunca vira aves daquela espécie. Eram de uma alvura extraordinária, tinham pescoços compridos, que recurvavam graciosamente; eram cisnes. Soltaram um grito especial. De asas abertas, voavam para os países do sul, em busca de calor. Subiam, subiam sempre; e o patinho, ao vê-los, sentia uma sensação até ali desconhecida. Vivou-se e revirou-se na água, estendeu o pescoço para eles, e soltou um grito vibrante e singular, que o encheu a ele próprio de susto.
Ah! como ele gostava daquelas aves, sem as conhecer, sem saber onde iam! Quando desapareceram, o pato mergulhou até ao fundo da agua, e quando veio à superfície sentiu uma comoção como até ali nunca sentira. Admirava aquelas magníficas aves, e não lhes tinha inveja. O desgraçadinho, que teria sido tão feliz se os patos o quisessem admitir na sua companhia, pensava de certo que seria sempre uma criatura repugnante.
O inverno foi muito rigoroso: gelaram as

lagoas e tanques, e o patinho viu-se obrigado a nadar continuamente, mexendo os pés até de noite, para que a neve se não formasse em volta do seu corpo. Mas por mais que fizesse, o círculo em que ele estava metido ia-se apertando, apertando, até que uma noite não pôde mais lutar, não se mexeu, e ficou imóvel, preso, adormecido no gelo.
Pela manhã, um camponês que passava, quebrou com os tamancos o gelo, e levou para casa o patinho, que se reanimou com o calor. As crianças queriam brincar com ele, mas o pobrezinho, com medo de novas judiarias, julgou que eles lhe queriam fazer mal, e fugiu atordoado indo cair numa grande panela cheia de leite, que se derramou pelo chão. A camponesa, zangada, agarrou em
umas tenazes, e foi para lhe bater, mas o patinho começou a esvoaçar, indo afinal cair numa barrica de farinha; ao sacudir-se levantou uma nuvem branca que encheu a casa toda, mas a mulher cada vez estava mais furiosa e cada vez o perseguia com mais
raiva.
As crianças estavam contentíssimas com esta cena: riam a bandeiras despregadas, e corriam como doidas atrás do pato, que não sabia onde se meter.
Felizmente uma rajada de vento escancarou a porta, e o desgraçado fugiu, indo esconder-se num montão de lenha.
Foi uma vida dura e triste a do pobre patinho em todo aquele inverno. Afinal o sol tornou a aparecer, e a cotovia cantava de novo. A primavera surgiu tão bonita quanto o inverno fora feio.
O patinho tinha também crescido bastante, e adquirira mais força nas asas. Sem pensar em tal, um belo dia ergueu-se por esses ares, e foi mais alto do que nunca pensara. Depois de ter pairado muito à sua vontade nos ares, desceu, e achou-se numa grande e lindíssima quinta. Estavam em flor os espinheiros e os sabugueiros. Através de maciços das árvores, serpenteava um ribeiro cristalino que ia desaguar num grande lago orlado de uma relva macia e verde. Que bonita coisa! Como se estava bem naquela sombra! De repente o patinho viu aparecer no lago três cisnes formosíssimos. Deslizaram também sobre a água! O vento enfunava-lhe as asas, estendidas como as velas de um barco.
Ao vê-los, o pato sentiu-se dominado de uma doce melancolia.
- Bem sei, reconheço - disse - estas aves reais; vou admirá-las de mais perto, matar-me-ão decerto, e têm razão para isso: um feiarrão como eu não tem direito de se aproximar deles. Mas acabou-se: mais doce me é ser morto por estes, do que ser maltratado pelos meus irmãos patos, escarnecido pelas galinhas, e repelido por toda a gente.
E nadou em direcção das lindas aves; estas assim que o viram, foram ao seu encontro, fendendo os ares.
— Bem sei o que me espera, matem-me, matem-me! - exclamou o infeliz, e abaixou a cabeça para a superfície das águas, esperando a morte.
Mas o que viu ele no cristal do lago? A sua própria imagem: não era uma criatura desajeitada, sem graça, e de um cinzento sujo, era um cisne.
Importa pouco que sejamos chocados por uma pata, no meio de patos; quando se sai de um ovo de cisne, sempre afinal se reconhece a raça a que pertencemos.

O cisne já não se lembrava dos trabalhos por que tinha passado, diante da doçura da sua felicidade actual. Os outros cisnes cercavam-no, faziam-lhe festas. Muitas crianças vieram à margem do lago, lançando para a água, pão e hortaliça, e o mais pequeno dos meninos exclamou:
— Repara, há mais um cisne!
— E é verdade, é um novo, é um novo!
- gritaram os outros cheios de júbilo, e foram a correr dizer aos pais. Voltaram com bolos e doces que atiraram de novo à água.
— É o mais bonito de todos. Que lindo, que bonito!
Quanto ao patinho nem sabia o que fazia, tal era o seu espanto! Em vez de se encher de orgulho, como tantos o faziam, sentia-se envergonhado e escondia a cabeça debaixo da asa. Pensava em todas as amarguras que tinha padecido, e agora chamavam-no o mais belo daquelas magníficas aves que ali estavam! Foi reinar com eles sobre esse formosíssimo lago, cercado de bosques encantadores. Levantou então o pescoço gracioso e flexível, curvou as asas, que a brisa enfunou e fez sussurrar, e deixou-se deslizar elegantemente sobre o cristal das águas.
E cheio de uma felicidade íntima, dizia consigo:
— Nunca, nunca, nem ainda quando eu era o patinho feio e disforme, me passou pela ideia que teria uma felicidade como esta!
Esta história tão bonita, tem um sentido oculto que é ainda mais bonito. Quer ela dizer que as pessoas que nascem com aptidão, talento ou virtudes verdadeiramente grandes, por muito pouco compreendidas, por muito pouco conhecidas, por muito maltratadas que sejam, sempre no fim de contas vêm a sair vencedoras de todos os contratempos.

Tradução de Maria Amália Vaz de Carvalho e Gonçalves Crespo


 

 

O Anjo e a Flor do Campo O Fato Novo do Sultão Cinco na mesma Vagem O Patinho Disforme
2005 BIBLIOTECA NACIONAL. Todos os direitos reservados