Biblioteca Nacional - Página Inicial Eça de Queirós

No vão do arco, como dentro de uma pesada moldura de pedra, brilhava, à luz rica da tarde, um quadro maravilhoso, de uma composição quase fantástica, como a ilustração de uma bela lenda de cavalaria e de amor. Era no primeiro plano o terreiro, deserto e verdejando, todo salpicado de botões amarelos; ao fundo, o renque cerrado de antigas árvores, com hera nos troncos, fazendo ao longo da grade uma muralha de folhagem reluzente; e emergindo abruptamente dessa copada linha de bosque assoalhado, subia no pleno resplendor do dia, destacando vigorosamente num relevo nítido sobre o fundo de céu azul claro, o cume airoso da serra, toda cor de violeta escura, coroada pelo castelo da Pena, romântico e solitário no alto, com o seu parque sombrio aos pés, a torre esbelta perdida no ar, e as cúpulas brilhando ao sol como se fossem feitas de ouro...
In Os Maias, 1888

Vista do Palácio da Pena sob o arco de Seteais - Princípios do séc. XX
Cintra: Palacio da Pena visto do portico de Sitiaes
A. desc., [ca 1910?]
Postal ilustrado
AMS - ARQ. HIST. BP521/cx.7

    Anterior1880-1888Iconografia ficcionalOs MaiasLugares QueirosianosSeguinte
Página Inicial

 

© 2000 BIBLIOTECA NACIONAL, Todos os Direitos Reservados